Banners Laterais

Powered by WP Bannerize

Itaquiraí fica em 4º lugar no MS na geração de empregos, em janeiro, e mais vagas estão sendo oferecidas na CT

Publicada 10/03/17 às 9:25

O município de Itaquiraí fechou o mês de janeiro com saldo positivo na geração de empregos formais. Foram empregadas 111 pessoas com carteiras assinadas nos diversos postos de trabalhos ofertados através da Casa do Trabalhador. Itaquiraí só ficou atrás dos municípios de Três Lagoas que apresentou o melhor resultado com geração de 357 novos postos de trabalho, seguido por Campo Grande (170), e São Gabriel do Oeste (134).

Logo após Itaquiraí, o município de Chapadão do Sul empregou 106 pessoas. Já o principal município da região Sul do Estado, Dourados, fechou 124 postos de trabalho. Mas o pior resultado, com redução de 198 postos de trabalho formais ficou para o município de Vicentina, segundo os dados divulgados pelo Cadastro Geral de Emprego e Desemprego do Ministério do Trabalho e Emprego (CAGED-MTE).

17268997_1246986562064779_927724995_o

Ao analisar a boa performance empregatícia de Itaquiraí, o prefeito Ricardo Fávaro Neto (PSDB), considerou que este desempenho é o resultado de uma série de ações conjuntas do Governo de Itaquiraí com o empresariado e industriais. “Temos apoiado a agroindustrialização e os demais setores da economia, sobretudo, dando respaldo para a qualificação de mão de obra, articulando cursos, e atuado junto aos empregadores no encaminhamento dos profissionais. Esta parceria tem sido fundamental para que a cada dia, mais postos de trabalhos sejam abertos em nosso município”.

O secretário municipal de Desenvolvimento, Anderson Francisco da Silva reforça as palavras do prefeito informando que no próximo dia 13, a Casa do Trabalhador estará recebendo diretores de Recursos Humanos da Bello Alimentos. “Já estamos convidando pessoas interessadas a participarem das entrevistas, pois, a Frango Bello estará contratando mais colaboradores e nós, do Desenvolvimento, estamos apoiando mais esta seleção de pessoas para imediato ingresso no mercado de trabalho”, afirma Anderson Zuza.

MS FICA EM SEXTO

Outros dados do CAGED-TME apontam que o Mato Grosso do Sul fechou o mês de janeiro em sexto lugar no ranking de geração de empregos do país. Foram gerados 871 empregos formais no Estado. “Esse resultado foi bem melhor em relação a janeiro de 2016, quando houve destruição de 163 postos de trabalho formais no Estado”, avaliou o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, em entrevista divulgada pela Assomasul – Associação dos Municípios de MS.

Os dados do Caged, compilados pela Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico (Semade) na Carta de Conjuntura do Mercado de Trabalho, indicam que a criação de novas vagas com carteira assinada deu-se nos setores de: Indústria (441 empregos a mais), Construção Civil (370 empregos a mais), Serviços (346 empregos a mais) e Agropecuária (206 empregos a mais). No acumulado dos últimos 12 meses, Mato Grosso do Sul apresenta uma destruição de 1.388 empregos formais.

“Há uma tendência de recuperação da economia na forma de criação de novos empregos formais, mas o setor de Comércio ainda apresenta resultados negativos em janeiro de 2017, com destruição de 492 vagas, devido ao fechamento de vagas no Comércio Varejista (659 vagas a menos), enquanto o Comércio Atacadista apresentou criação de 167 novas vagas”, observa o secretário Jaime Verruck.

Com relação aos Serviços, os setores que se destacaram na geração de empregos formais em janeiro de 2017 foram: Administração de imóveis (437 novas vagas) e Transportes e comunicações (60 novas vagas). Na Indústria, houve aumento nas contratações em janeiro de 2017, sendo mais intensa nos subsetores de: Indústria alimentos e bebidas (100 vagas a mais), Serviços industriais e de utilidade pública (95 vagas a mais), Indústria de calçados (75 vagas a mais) e material elétrico (65 vagas a mais). No acumulado dos últimos 12 meses, há uma tendência de recuperação do setor iniciada em novembro de 2015, mas que ainda apresenta no acumulado dos últimos 12 meses uma destruição de 318 vagas.

Creditos: Roney Minella

Fonte: Departamento de Comunicação

Publicidade